Como entrar em um mestrado – para leigos!

PDF pagePrint page

151215_entrar_mestrado

Entrar em um bom programa de mestrado não é tão simples quanto você pode achar. Principalmente, se você não tem R$50.000 para pagar uma instituição privada ou pretende parar de trabalhar para se dedicar. As coisas ficam ainda mais difíceis se você está no mercado há vários anos e o ápice do seu envolvimento acadêmico foi sua monografia de graduação e um MBA.

Gostaria de compartilhar um pouco da minha jornada para entrar no mestrado acadêmico. Tudo começou cerca de 4 anos atrás quando comecei a fazer algumas palestras e passei a ouvir de algumas pessoas que eu seria um ótimo professor. Isso casou com o meu crescente interesse por estudos na área de comportamento. Achava fascinante entender porque as pessoas compravam o que eu ajudava a vender com marketing. Comecei a me informar sobre os programas, enviei emails para alguns professores, então percebi que não seria tão simples assim. Eu não sabia nada sobre o meio acadêmico, mas como eu estava bem profissionalmente, fui amadurecendo a ideia sem pressa.

(Este artigo é voltado para o processo seletivo de mestrado em administração, e creio que também ajude no de economia. Embora algumas das dicas possam servir para outras áreas, os processos podem ser bastante diferentes.)

A primeira coisa que você precisa saber é ter certeza que é isso que você quer. Seja para melhorar o currículo, para aprofundar o conhecimento em uma área ou para seguir a vida acadêmica de pesquisa e docência. Uma das coisas para a qual os professores mais chamam a atenção é a carga de leitura. Esteja preparado para ler e escrever muito.

Mas não criemos pânico ainda, você precisa entrar primeiro, e é impressionante a escassez de informações e dicas que ajudem os leigos (profissionais do mercado, por exemplo) a entrarem em um bom programa de mestrado. Por isso, eu criei este pequeno guia com 6 coisas que você precisa saber para entrar no mestrado. Vamos lá!

como_entrar_mestrado_leigos

O temível Teste Anpad

Você não tem como fugir. O caro, trabalhoso, polivalente e onipresente Teste Anpad é exigência de quase todo mestrado em administração no Brasil e costuma ter peso considerável principalmente em universidades públicas. É uma mais inteligentes e difíceis provas que você fará na vida e o maior erro que você pode cometer é o de subestimá-la. O teste é inspirado no GMAT (Graduate Management Admission Test) americano e é composto por 5 provas:

  • Raciocínio Lógico: não é lógica pura, mas misturada com outros conceitos matemáticos ou não.
  • Raciocínio Quantitativo: basicamente toda matemática do Ensino Médio.
  • Raciocínio Analítico: essa é a prova que mais surpreende os marinheiros de primeira viagem. Chamada de “critical reasoning ” no GMAT, ela avalia a capacidade de se ater às informações do texto e de analisar argumentos. À primeira vista, parece com a de português, mas não se deixe enganar, ela possui particularidades importantes.
  • Português: é interpretação de texto nível hard. Não faça a prova sem antes fazer uma boa revisão em conjunções, coesão e uso de vírgulas.
  • Inglês: nada mais do que compreensão avançada de textos sobre mercado, cultura e sociedade.  Tudo que você precisa aqui é ler bem em inglês (e ter um bom vocabulário), mas tem que fazer isso rápido porque os textos são longos.

O Teste Anpad vale 600 pontos, você precisa tirar pelo menos 300 para estar apto a se inscrever em praticamente qualquer processo seletivo. No entanto, é extremamente importante que você vá além. Como em vestibular, a nota de corte varia em cada instituição e linha de pesquisa. Marketing, por exemplo, costuma ser facilmente o mais concorrido. Então, mire mais de 400.

Como estudar para a ANPAD?

Obs.: na economia, o teste correspondente chama-se ANPEC.

É totalmente possível estudar sozinho, desde que você saiba o que estudar e essa é a parte difícil. Não adianta você gastar muito tempo estudando geometria, se no teste cai mais questões de probabilidade e matemática financeira. Por isso, um componente que não pode faltar são as provas. Antes de começar, procure pelo maior número de provas que você conseguir encontrar e guarde.

Eu comecei a estudar utilizando as apostilas da Central de Ensino, e embora a de Raciocínio Lógico seja muito boa, as outras nem tanto. Além do mais, eles parecem não atualizar com as provas mais recentes, e em 2013 o teste passou por uma reforma considerável. Mas não deixa de ser um bom começo.

Se o seu tempo é curto e você não quer perder tempo, faça um curso preparatório, mas tem que ser específico para Anpad, evite os para concursos! Se você mora em Porto Alegre eu recomendo o Instituto Integral (participe também do ótimo grupo do professor Milton no Facebook). Se você mora no Rio, o maior e mais completo curso é o do FDX. Se você mora em outras cidades ou prefere assistir online, ambos oferecem a modalidade EAD, apenas não sei se o Integral cobre todas as 5 provas, dê uma olhada.

Lembre-se: não subestime a Anpad.

Busque informações

Qual instituição você quer cursar? Ela oferece a linha de pesquisa do seu interesse? Quem são os professores da sua área lá? Quem você gostaria que fosse seu orientador? Como é o processo seletivo?

Mesmo leigo, você tem a obrigação de ter as respostas para essas perguntas. Olhe o Lattes dos professores da instituição que você pretende cursar, tenha uma boa ideia do que você pretende pesquisar, incluindo os maiores nomes da área e os últimos trabalhos publicados. Você precisa demonstrar interesse na área, paixão, potencial, é claro que você não sabe muita coisa, mas mostre o seu entusiasmo com a área e que você quer fazer a diferença.

Cada processo é um processo, então leia atentamente o edital e atente para o peso de cada item no processo. Os principais itens avaliados nos processos são:

  • Currículo Lattes
  • Redação (às vezes em inglês, como é o caso da UFRJ e UFPR)
  • Entrevista
  • Anteprojeto ou plano de intenção de trabalho (nem todos)
  • Carta de recomendação (nem todos)
Engorde o seu Lattes

Então você quer fazer um mestrado. No seu LinkedIn constam empresas bacanas, palestras em eventos, artigo na revista Exame, MBAs, cargos de gestão, inglês e francês fluentes e diversas competências. Sinto dizer que isso não vale quase nada no seu mais novo amigo daqui pra frente, o Lattes.

O que realmente importa nele são atividades acadêmicas, principalmente publicações em revistas científicas, docência e participação em eventos acadêmicos.

Já que não é tão simples assim escrever e publicar um artigo científico, pense em alguém que possa lhe ajudar nessa empreitada, resgate algo que você fez na graduação e vá a eventos da sua área (os da administração são normalmente no 2º semestre).

O melhor aqui é se planejar para fazer o mestrado e ir fazendo algumas atividades de vez em quando, mas nem todo mundo consegue. Se você não tem tempo ou não sabe como fazer, tente escolher uma instituição cujo processo não dê tanto peso para o currículo e mais para Anpad e anteprojeto.

Obs.: Esse costuma ser o calcanhar de Aquiles de quem está no mercado, e os programas mais concorridos são quase inacessíveis para quem tem o Lattes vazio.

How good are your english skills?

Eu não sei as outras áreas, mas a administração é totalmente dependente do inglês e os processos seletivos deixam isso claro. Seja na entrevista, ao exigir redação em inglês no processo ou ao perguntar a sua nota na prova de inglês da Anpad. You must be able to read well in english and to have a fully comprehension from the given text!

Você não precisa falar muito bem ou escrever perfeitamente, mas sua leitura precisa ser fluente ou você não conseguirá contribuir efetivamente para a área, logo, seu potencial é menor.

Defina seus planos

Após ser aprovado, você pretende continuar trabalhando ou se dedicar integralmente? Bolsistas têm compromissos com a instituição e não podem ter vínculos empregatícios. Se for continuar trabalhando, do que irá abrir mão para dar conta do volume de leitura, artigos e atividades? Isso cabe a você, mas tenha isso em mente. As instituições perdem pontos quando alunos desistem, então elas não correrão risco de dar uma vaga a alguém que ainda não se planejou.

Saiba também que o seu desempenho no  mestrado é muito importante para  ingressar no doutorado depois, pois o processo seletivo é focado mais em o que você fez do que o que você pode fazer.

 

Tudo que você acabou de ler é fruto da minha experiência nos últimos anos tentando entrar em um programa de mestrado o qual eu não poderia pagar e tinha zero informação. A minha jornada incluiu conversas com vários professores, alugar um grande amigo doutorando, fazer cursos ruins e cursos bons, acordar cedo para estudar, estudar depois do trabalho, acumular pilhas de cadernos e apostilas, reaprender matemática, aprender lógica e ver que a língua portuguesa pode ser realmente difícil. Tudo isso enquanto trabalhava +40h por semana.

Também dei-me conta de que eu não sabia estudar, na verdade acho que a maioria dos brasileiros não sabe. Pierluigi Piazzi deixou um belo legado para nos ajudar nisso.  Sinto que agora estou preparado para voltar a ser estudante, fui aprovado em duas instituições entre os primeiros lugares e o mais interessante é que acho que nada disso teria acontecido se eu não tivesse criado este site 7 anos atrás. :-)

 

Se alguém tiver dúvidas e eu puder ajudar de alguma forma, deixe nos comentários.