A grama mais verde

PDF pagePrint page

grama_mais_verde_big

Dizem que a grama do vizinho é sempre mais verde. Mas olhe-a de perto e você verá falhas, partes onde a grama não cresce nunca ou cresce rápido demais e formigueiros escondidos. Em algum momento de nossas vidas (quem sabe da evolução humana), fomos programados para prestar atenção no jardim do vizinho, no carro do chefe e no novo namorado da fulana que recém se separou. E não apenas “prestamos atenção”, interagimos quase como se fosse um reality show. Apresentamos traços assim desde a infância, quando levamos um boneco Man Steel que acende, atira, anda e come sozinho, mas queremos o soldadinho de plástico do nosso amiguinho. A partir daí, a “síndrome do brinquedo alheio” nunca mais nos abandona. Trocam-se os brinquedos por outros, digamos, mais adultos, mas a vontade de ter o que o outro tem continua.

O ser humano tem um grande problema de apreciar o que o outro tem. Ao menos em parte, isso se explica porque todos nós temos sede por coisas novas. Para alguns felizardos, essa novidade vem em forma de conhecimento, habilidades, livros, viagens e culturas diferentes. Para outros — a maioria — são produtos eletrônicos, bolsas, carros, parceiros diferentes e por aí vai. Felizmente, temos a liberdade para guiar a vida como bem entendemos e cada um pode escolher fazer o que o deixa mais feliz. O problema é quando é quando isso não deixa, e os momentos felizes são com base em outras pessoas que não você. Quando se olha demais para o jardim do outro sem perceber que a sua grama está na altura do joelho.

Quando a felicidade está  em coisas e não em experiências e crescimento, é porque estamos olhando mais para o outro do que para nós mesmos. As pessoas desejam carros de luxo não pelo conforto e potência (qualidade),  mas pelo estilo de vida (marca e valores) associados a eles. Em outras palavras, as pessoas querem ter aquela vida. Quanto mais pessoas estão consumindo algo, mais pessoas irão querer esse algo. Essa é a base do mundo capitalista e um comportamento que muito vem sendo estudado depois que as redes sociais colocaram os holofotes em mais de 1 bilhão de pessoas revelando seus hábitos e comportamentos.

E o que era para aproximar pessoas, as deixaram mais tristes, egocêntricas e mesquinhas. A tecnologia tornou mais fácil comparar e, ao comparar, elas percebem que tem sempre alguém  fazendo o que elas gostariam de fazer. Automaticamente, comparamos as nossas vidas com as de ex-colegas, amigos de infância e parentes da mesma faixa etária e se a diferença é muito grande, ficamos tristes ou orgulhosos. Lembrei de um estudo em que as pessoas mais felizes eram aquelas que tinham maior poder aquisitivo em seus círculos sociais, não aquelas que ganhavam mais, porém menos se comparado com os outros. É preciso lutar contra essa tendência natural. Porque sempre, sempre irá existir alguém em uma posição melhor do que você a sua. Desejos não têm fim. Compre uma casa e você irá querer outra na praia. Conquiste uma vida financeira confortável e você irá querer ser milionário. Abra uma loja e você logo sonhará com uma lucrativa rede de franquias. A vida é repleta de desafios e desafios também costumam não ter fim. Essa é a parte boa: o ser humano precisa dessa motivação para continuar vivendo. O problema está em em viver as motivações dos outros.

Somos tão influenciados pelo mundo que vivemos que, não raro, pessoas deixam-se levar por essas influências — e o pior, sem perceber. As pessoas vestem o que todo mundo veste e, se ninguém veste, tem algo de errado aí. Faz sentido. O mesmo sentido que leva empresas a operarem da mesma maneira, fazendo as mesmas coisas que todas as outras. Então, uma resolve fugir da fila indiana e fazer algo diferente que dá certo, e todas resolvem ir atrás. O mundo é uma grande fila indiana onde de tempos em tempos alguém resolve sair da fila e fazer diferente.

Fazer diferente é para poucos. Para fazer diferente é preciso parar de observar o jardim do vizinho. É preciso olhar milhares de outros jardins em centenas de outros bairros do mundo, ler revistas de jardinagem, fazer cursos, tentar e errar, e errar até acertar. Quem olha demais para o brinquedo do colega jamais se contentará com o seu, mesmo que superior, porque não se trata de qualidade, e sim de querer ter o inacessível. Alguém uma vez disse que a grama é mais verde onde se rega. E só é possível regar o que está ao nosso alcance. Aqui cabe um outro famoso ditado popular: “não dê um passo maior que a perna” porque você sabe o que acontece.