Existe um mito envolvendo chefes. Acreditamos que eles são sempre muito inteligentes, experientes, de invejável capacidade analítica, intuição acima da média e que dominam a arte de lidar com pessoas. Quanto maior o cargo, mais acreditamos nisso. Mas basta algumas semanas para percebermos que eles são pessoas normais, às vezes, não muito melhores que nós mesmos.

Um funcionário pode ser tão bom tecnicamente quanto o seu chefe, aliás, esse seria o ideal (embora chefes ruins não gostem disso). Isso porque o que difere um chefe do funcionário é a capacidade de liderança, e isso não se aprende com um curso. Leva anos para se construir um bom líder, e algumas pessoas estão muito a frente das outras nisso, independente da idade ou tempo de carreira.

Liderança tem tudo a ver com estratégia, com pensar lá na frente enquanto sua equipe faz o trabalho de agora. Maus chefes se ocupam demais com tarefas rotineiras e esquecem de trabalhar o longo-prazo. Então, quando o futuro chega, é feito tudo às pressas, sem planejamento e com muito estresse; o que diminui a credibilidade do chefe e prejudica a empresa. Este post é para ensinar um pouco chefes a serem líderes. Não mandar, orientar; não fazer, acompanhar.

Paul Schoemaker especialista ninja em decisões com vários livros publicados e chefe do departamento de pesquisa da Wharton, uma das melhores escolas de negócios do mundo, publicou o que ele e sua equipe consideram os 6 hábitos dos verdadeiros líderes estratégicos. Inspire-se e aplique o máximo que puder na sua carreira, e você será um Grande Chefe.

ANTECIPE

Howard Schultz — CEO da Starbucks — disse que bons empreendedores devem ter a curiosidade de saber quem está virando a esquina, ver o que os outros não veem. Negócios é um jogo, e grandes jogadores conseguem antecipar qual será a próxima jogada. Mas isso só será  possível se você parar de microgerenciar. Paul diz que a maioria das empresas estão focadas no que está a sua frente, carecem de “visão periférica”, só olham para frente.

Dicas:

  • Olhe para as mudanças acontecendo em volta do seu mercado.
  • Busque além das fronteiras do seu negócio.
  • Construa um networking variado [fora da empresa] que o ajude a descobrir coisas novas.

PENSE CRITICAMENTE

Provavelmente, o que mais me incomoda nas pessoas é falta de opinião. E dentro das empresas é muito fácil você se deixar levar. Por um artigo, pelo que o diretor disse, pelo mercado (o famoso “todo mundo faz assim”). Eu adoro ler a história de homens de sucesso, e se existe uma coisa em comum em todos que eu conheci é coragem. A coragem de ir de contra à sabedoria popular para tornar realidade as suas ideias e sonhos. Bons líderes questionam, não são advogados do diabo, mas também não anjinhos bobos.

Dicas:

  • Estude de modo que você consiga entender as raízes dos problemas.
  • Desafie as crenças e o modo de pensar atual, incluindo o seu.
  • Não aceite hipocrisia, manipulação e outras influências nas decisões organizacionais.

INTERPRETE

Não ter tempo é muito prejudicial às tomadas de decisão. Por isso, é preciso que líderes estejam focados no que importa — coisas que a equipe não pode resolver. Analise diferentes fontes de informações, sintetize, aprenda a tirar o que é bom em cada um deles para criar um modelo ideal, ele o ajudará a ter uma boa imagem do cenário como um todo.

Dicas:

  • Procure padrões em múltiplas fontes de informações.
  • encoraje os outros a fazerem o mesmo.
  • Questione os caminhos que parecem bons e teste várias hipóteses ao mesmo tempo.

DECIDA

Diante de uma decisão importante é preciso ter cuidado para não ser esmagado pela pressão (de superiores, do tempo, influências), tome um tempo para analisar as informações, mas não espere pela decisão perfeita. No mundo corporativo, o perfeito toma muito tempo, quando você achar que está preparado o suficiente, vá fundo.

Dicas:

  • Equilibre velocidade, rigor, qualidade e agilidade. Deixe a perfeição para os maiores que você.
  • Diante de muita divergência, tome uma posição mesmo não tendo todas as informações.

ALINHE

Nenhum líder de verdade toma uma decisão sem antes ouvir a opinião da sua equipe (e dos envolvidos), principalmente se for um assunto delicado. Esteja sempre aberto a opinião dos outros, não apenas quando for conveniente, só assim eles confiarão em você.

Dicas:

  • Traga questões difíceis à tona, mesmo sendo desconfortáveis.
  • Acompanhe a tolerância ao risco para obter o suporte necessário.

APRENDA

Paul sabe que quanto maior a empresa, mais difícil é obter opiniões honestas. O mesmo acontece com o cargo. Ele diz que é preciso fazer o que for possível para que essas opiniões continuem chegando conforme a empresa cresce. Seja honesto com seus funcionários e exija o mesmo deles, se algo deu errado é melhor saber tudo que contribuiu para o fracasso. Essa é a hora da verdade de um líder: o quanto ele consegue sentar para ouvir e aprender.

Dicas:

  • Não apenas encoraje honestidade, exemplifique. Converse para extrair lições.
  • Mude a direção rápido ao perceber que você está fora do caminho.
  • Comemore tanto o sucesso como o fracasso quando eles lhes ensinarem algo.

Comente!