Porque trabalhar mais de 40h semanais é inútil

PDF pagePrint page

Legalmente, um trabalhador brasileiro médio deve cumprir a jornada de 40 a 44 horas semanais. No entanto, sabemos que, na prática, a coisa é bem diferente. Chegamos mais cedo a pedido chefe e muitas vezes não temos hora para sair. Acreditamos que essa é a única maneira de conseguir uma promoção e se dar bem na profissão. De fato, trabalhar mais do que os outros é uma das chaves para o sucesso, mas é preciso sabedoria para não confundir produtividade com disponibilidade incondicional.

Trabalhar muito é considerado uma qualidade na nossa sociedade moderna, quanto mais ocupado você é, mais importante você parece. Com isso, muitas pessoas perdem a noção das coisas e acham que quanto mais se trabalha, mais bem-sucedido se é, mas a vida é um equilíbrio. Se você entrega 100 em 8 horas por dia, não significa que irá entregar 200 em 16 horas. Não somos máquinas. E aqui vão alguns pontos para refletir.

Desde que as primeiras indústrias começaram a fazer fortunas, pesquisa-se sobre jornada de trabalho. Sydney Chapman mostrou com gráficos complexos a relação entre horas trabalhadas e produtividade (em $$) há mais de 100 anos! Vários e vários estudos nas décadas seguintes continuaram demonstrando que trabalhar mais de 40 horas semanais era estúpido, caro e até mesmo incompetência dos superiores. Em 1962, a Câmara do Comércio dos Estados Unidos distribuiu panfletos pregando os benefícios de poucas horas de trabalho. As 40 horas semanas tornou-se o padrão.

Os anos se passaram e o dinamismo do mercado ultra-competitivo atual obrigou empresas a tirarem o máximo do seu capital humano. Não ter hora para sair se tornou normal, bem como o famoso “banco de horas” e atividades extras à noite e nos finais de semana. Uma vez que as pessoas produzem mais entre a 2ª e a 6ª hora, 8 horas parece ser o ponto de equilíbrio entre produtividade e desgaste físico. Tanto que estudos mostram que pausas regulares, assim como a famosa sesta de meros 20 minutinhos depois do almoço aumenta a produtividade. O que significa que um dos maiores desafios das empresas não é fazer o funcionário trabalhar mais, e sim trabalhar melhor.

Hora extra X deadlines

Eu sei que alguém vai dizer “ah, ficar até tarde funciona sim quando você tem que entregar uma campanha ou projeto no dia seguinte”. Verdade. Mas você só consegue fazer isso sem comprometer muito a qualidade por curtos períodos. Segundo os estudos de Sydney Chapman, perde-se produtividade logo na 2ª semana, diminuindo a uma velocidade ainda mais rápida nas semanas subsequentes.

As horas fora do trabalho são extremamente importantes para as hora no trabalho. Sem um sono adequado, lazer, boa alimentação e tempo livre, as pessoas ficam com preguiça de pensar e irritadas. Ou seja, ou você dorme bem e cultiva uma vida fora do trabalho, ou você será um profissional medíocre. Trabalhar até tarde funciona, mas que sejam casos isolados, não toda terça e quinta.

Quando 30 horas é o suficiente

Não faz muitos anos que eu percebi que ficava realmente cansado depois de um dia exaustivo de trabalho (acima do normal). Ora, meu trabalho é na frente de um computador, entre em reuniões internas e ligações telefônicas. Uma rotina que não podemos considerar cansativa. Fato é que eu me sentia tão exausto ao final do dia como se eu tivesse ficado 2 horas na academia em um sábado de manhã.

Esforço mental também cansa. Eis porque controladores de voo trabalham menos horas do que a maioria dos brasileiros. Funções que necessitam de raciocínio rápido, muita análise, criatividade e tomada de decisões diminuem a produtividade ideal que seria de 8 para 6 ou 5 horas, segundo especialistas. Como você provavelmente não é controlador de voo e eu nunca serei, temos que nos adaptar. Então, tente condensar essas atividades em 5 horas e passe as outras realizando coisas mais triviais,  mas também importantes, como reuniões, respondendo e-mails e fazendo ligações.

Trabalhar demais pode deixar de ser uma qualidade para ser uma doença, cuidado. Exigir que seus funcionários trabalhem demasiadamente pode minar o comprometimento e a própria produtividade. Como disse Sara Robinson: “cada hora extra que você faz irá lhe custar um grande tempo em algum outro ponto importante da sua vida”.

[Baseado no artigo: “Bring back 40-hour work week”]

8 horas parece ser o limite da produtividade.