Liderança 500 a.C.

PDF pagePrint page

Existe uma ligação entre o esporte, a área militar e o mundo dos negócios: as histórias de grandes líderes. Campos tão distintos, mas com uma necessidade em comum, fazer pessoas vencerem. E não importa o quão fracos são seus soldados hoje, quão subestimados são os jogadores ou por quanto tempo a desmotivação têm reinado no departamento, o bom líder sempre cria vencedores.

Talvez pelo fato da gestão ser a atividade mais recente das três, ela é que mais absorve ensinamentos de outras áreas . Histórias muitas vezes sem uma ligação direta com vendas, liderança ou empreendedorismo, mas que se transformam em valiosas lições nas mãos de homens sábios. Uma das mais conhecidas histórias que os homens de negócios pegaram emprestado foi “A Arte da Guerra”.

Sun Tzu foi o cara, todo mundo sabe disso. E embora alguns especialistas em gestão digam que seu estilo de liderança vêm perdendo força — dando lugar a algo mais parecido com um monge tibetano do que um general chinês –, as lições de Sun Tzu são à prova do tempo. 2000 anos se passaram desde que ele escrevera seu manual da guerra a pedido de um rei, e ele ainda é alvo de estudo, hoje mais por estrategistas empresariais do que militares.

Como eu sei que você sabe tudo sobre Sun Tzu, não irei me aprofundar nele e posso falar sobre o que me motivou a escrever este artigo.

A maior lição de liderança da história

Sun Tzu deixou para gente o que, provavelmente, seja o maior ensinamento para líderes de qualquer área. A importância do apoio popular.  Ele dizia que, para conseguir a vitória, um general precisava respeitar 5 princípios: Clima, terreno, comando, doutrina militar e influência moral. Adaptando para o cenário corporativo, seria algo como: economia, setor, modelo de gestão, qualificação da equipe e … bem, essa eu prefiro deixar como no original, influência moral mesmo.

Influência moral nada mais é do que ter o apoio do povo. Sem isso, uma guerra nunca seria bem sucedida. Vimos isso na Guerra do Vietnã, do Iraque e na recente contra o Afeganistão, aliás, essa última nem teria iniciado se o atentado contra as torres gêmeas não tivessem despertado a ira do povo americano.

Da mesma forma, nenhuma estratégia empresarial é bem-sucedida sem o apoio dos funcionários. Nem nenhum gerente vai longe sem o apoio da sua equipe. Gestores inteligentes reconhecem o poder dos funcionários, e o teme. Existe um trilhão de livros sobre liderança, um número enorme de palestrantes e cursos sobre o tema, e eu desafio você a encontrar um que não enfatize a importância de ter o apoio dos funcionários.

Uma lição de 500 anos antes de Cristo, um dos assuntos mais falados da gestão corporativa moderna, algo que todo mundo admira e, mesmo assim, tão pouco aplicado no dia-a-dia. Sem dúvida uma utopia.

O trabalho de todo líder é criar vencedores. De fato, eles já são vencedores porque podem arruinar o trabalho de qualquer gerente, técnico, governante ou general. A única forma de você vencer, é  unindo forças. E essa é a coisa mais inteligente que você pode fazer.