Seu compromisso com o não


Tony Blair costuma dizer que a arte da liderança está em dizer não, “é muito fácil dizer sim”. Fato é que não aprendemos a dizer não, tanto nossos pais como professores nos ensinam a ser gentil, educado e isso, em muitos casos, significa dizer sim para os outros.

Vivemos em um mundo diferente do deles, onde saber priorizar e organizar são qualidades muito valiosas. É preciso saber dizer não. Inclusive, para coisas que nós gostamos e que nós queremos. Difícil, concorda? David Pink apresentou uma perspectiva interessante em seu blog, a de que produtividade pessoal é a nossa nova dieta. 100 anos atrás, as pessoas não consumiam tantas calorias, a comida não era algo tão abundante, e menos ainda eram a quantidade de gorduras e opções. Ou seja, as pessoas não precisavam de dietas. A coisa foi mudando de figura na 2ª metade do século passado e as últimas décadas vêm assustando médicos e sobrecarregando sistemas de saúde já deficientes.

Voltemos para 1995, um ano não tão distante. Uma época onde as opções não eram tão abundantes; quando viajar para o exterior era para classe A, filmes só estavam disponíveis em locadoras, informação só em livros e revistas e entrar em contato com alguém só pelo telefone fixo… a vida era mais difícil naquela época porque tínhamos menos opções disponíveis — obrigando-nos a planejar melhor. Menos de duas décadas depois, ainda ficamos maravilhados com o leque de opções disponíveis à nossa frente. No entanto, isso parece não ter trazido apenas benefícios, mas novos problemas que devemos aprender a lidar. E isso envolve dizer não para coisas que gostamos.

Eu já escrevi sobre a importância de dizer não para manter a produtividade e que isso não é sinônimo de arrogância ou insensibilidade (depende de como você diz, é claro). Mas eu nunca tinha parado para pensar sobre dizer não para mim mesmo. De certa forma, eu sempre soube que preciso deixar de fazer algumas coisas que gosto para que outras aconteçam e até fazia, mas sempre de forma inconsciente. Se dizer não para os outros já é difícil, imagine para nós mesmos.

Tony Blair e sua lição de liderança, Daniel Pink e sua analogia da dieta, Tom Peters e seu conselho de criar listas do que não fazer e a entrevista Elizabeth Gilbert (video abaixo) me convenceram. Saber dizer não é mais importante do que dizer sim, e não importa para quem.