Panorama do comércio online brasileiro

PDF pagePrint page

Ano passado fiz um breve levantamento sobre a taxa de crescimento das vendas das lojas virtuais e das lojas físicas. O resultado foi impressionante. Em datas comemorativas, as vendas dos sites cresciam em média 3 vezes mais do que as realizadas em lojas físicas. Uma das explicações é que o comércio como um todo atingiu um ponto equilíbrio, enquanto o online é algo recente e ainda está “fase de crescimento”. Mas claro que há outras como: a praticidade da compra pela internet, maior segurança oferecidas pelos sites e preços baixos.

O e-commerce revela oportunidades, porém quem não aproveita não apenas deixa de ganhar, mas começa a perder. Afinal, as pessoas estão comprando na internet o que poderiam estar comprando em lojas físicas. Casas Bahia, Carrefour, Renner e Sony foram algumas das grandes empresas que abriram lojas virtuais nos últimos 2 anos.

Tenho ouvido histórias de várias pessoas que realizaram sua primeira compra pela internet, e é interessante ver a rapidez com que elas fazem a segunda. Ou seja, a primeira compra é a mais difícil, mas uma vez que isso acontece, o dinheiro começa a migrar para a rede com maior frequência. Em partes impulsionado pelos sites de compra coletivas, algumas pessoas ficam encantadas com a facilidade da internet, cada uma com seu próprio hábito de consumo: tem pessoas que só compram livros ou eletrônicos; tem aquelas que só aproveitam promoções; outras que presenteiam parentes ou amigos distantes; mulheres que importam produtos de beleza; adolescentes viciados em camisetas; e tem aquele, que está se tornando cada vez mais comum, que compra de tudo.

A Forrester Research publicou uma pesquisa realizada na América Latina que mostra que o Brasil é o maior mercado online. O segundo lugar ficou para o México, mas este está muito atrás do Brasil — com apenas 1/3 da sua população tendo acesso à internet, e metade disso na sua própria residência (o que é uma barreira para o e-commerce). Tentei organizar as informações relevantes em uma espécie de infográfico meia-boca. Espero que gostem.