Marketing pessoal na era Google

PDF pagePrint page

Por Seth Godin

Uma amiga fez um anúncio no Craiglist procurando por uma secretária do lar.

Três interessantes currículos se destacaram. Minha amiga googleou cada um dos nomes.

O primeiro levou a uma página do MySpace onde havia a foto da candidata bebendo cerveja num funil. Na parte de hobbies, a primeira fase dizia: “beber com os amigos”.

O segundo nome levou a um blog pessoal (realmente bom). O post mais recente dizia algo como “Eu me candidatei a um tipo de trabalho serviçal que está abaixo de mim e eu estou me sentindo desconfortável com isso. Eu com certeza o deixarei no minuto que eu vender alguns quadros.”

E o terceiro? Havia seis resultados, o sexto era da polícial local indicando que o candidato havia sido preso, dois anos antes, por furtar uma loja.

Três por três. O Google nunca esquece.

Claro, você não tem que ser bêbado, ladrão ou fracassado amargurado pra perder uma chance de emprego precocemente. Tudo que você faz agora acaba ficando na sua ficha permanente. O melhor plano é sobrecarregar o Google com uma longa lista de coisas boas e sempre agir como se você estivesse sendo filmado, porque você está.